quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Amor e outros vicios

A campainha toca e ele, sabendo que é ela, corre até a porta e ao abri-la treme da cabeça aos pés, mesmo tendo a vista há poucos dias não conseguia entender de onde vinha tanta beleza, ela estava com os lindos cabelos pretos soltos, um vestido longo, também preto, e um sapato não muito alto em um tom um pouco escuro, os olhos brilhavam como se fosse a primeira vez que o visse, brilhavam com aquela intensidade que o provocava, que o tirava completamente do sério, sem que ela precisasse dizer nenhuma palavra ele já era tomado pelo desejo, pela ânsia de abraçá-la, beijá-la, acariciá-la, enfim, apenas o seu olhar já tinha um poder quase hipnótico sobre ele.

E ela sabia do seu vício, sim, um vício, ele era viciado nas mulheres, e ela o conhecia há muito tempo, foi sua amiga, sua confidente, hoje era sua amante, só se encontravam única e exclusivamente para o sexo, mas isso por que a satisfazia, ele era carinhoso e sabia como uma mulher gostava de ser tratada, ele buscava apenas satisfazer mais um vicio, não conseguia ficar um dia que fosse sem sentir o perfume feminino, colecionava corações mesmo assim vivia numa solidão inimaginável, era um sozinho em meio a uma multidão, como ele mesmo gostava de definir.

Ela continuava parada em meio à porta, olhava atentamente para ele e continuava destilando aquele olhar que o deixava completamente maluco, e ela fazia de propósito, como todas as mulheres. Ele já a esperava, portanto já havia preparado tudo, jantar, velas, um incenso e a cama, estava tudo meticulosamente aprontado, com a perfeição que já era característica, outra coisa que ela amava nele, nunca estava desprevenido, sempre tinha um carta na manga, uma palavra ou frase de efeito que, mesmo às vezes sendo um velho clichê, a deixava sem palavras, sempre tinha uma surpresa “por isso me apaixonei por você”, ela dizia, “por isso fiz você se apaixonar por mim” ele completava enquanto olhava para ela.

Os dois juntos eram de uma simetria impar, com trejeitos e gestos próprios, se completavam de uma maneira assustadora, porem ambos sabiam que seria, como sempre, só por uma noite, uma noite a mais a ser somada as muitas que já tiveram, uma aventura a mais em meio as milhões que ambos já tiveram, mais um momento, mais um prazer.

Ela entra, ele cuidadosamente puxa a cadeira da mesa assustadoramente arrumada, dois pratos, uma vela, um jantar, ainda quente, já servido, era tudo de um requinte sem igual, essa era sua marca, não se dispunha a fazer nada se não fosse perfeito, ela senta, pergunta como foi seu dia, cumprindo uma mera formalidade que ambos sabiam ser parte do protocolo, pequenos detalhes da historia que todos já sabiam o final, ele responde com um simples “normal, a velha rotina de todos os dias”, ela ri, e diz “rotina, odiamos ser escravos dela, mas sem ela nos perdemos”, ele concorda enquanto serve o jantar.

Conversas frívolas seguem na temática durante a ceia, depois tomam mais uma taça de vinho enquanto assistem a um show qualquer na televisão, isso não importa, pois logo a TV vira apenas um artifício para deixar o quarto a meia luz, e rapidamente estão no palco, a cama, onde realmente se entendem, toda essa introdução para o verdadeiro motivo, o real ensejo da noite, urros, sussurros, gritos, tudo se mistura em meio aquela que mais parece uma dança, festejando o desejo, cultuando o prazer.
Ela vai embora, mas não sem antes olhar para ele e dizer “perfeito, como sempre”, ele toma mais uma taça de vinho enquanto observa maravilhado ela ainda despida caminhar até o banheiro, em poucos minutos o quarto estará vazio novamente, será só ele e a solidão de sempre. 

Ela está apaixonada, ele a ama, mas as regras e a monotonia que giram em torno de um relacionamento os deixam cada vez mais felizes com esse jeito, esse novo estilo de relacionamento, podem se apaixonar, até amar outras pessoas, mas nunca esquecerão um do outro.

Como um viciado ele suportará no máximo alguns dias, depois estará novamente procurando-a, novamente provando desse veneno que o deixou viciado, o amor, esse sentimento que é mais nocivo que muitas drogas ilícitas, te uma das mais torturantes abstinências que é a saudade, e um dos maiores efeitos colaterais que é a solidão, e sem duvida alguma tem a cura mais difícil de todos os vícios.

___________________
Com esse "conto" inicio uma nova categoria aqui no Sei Pensar, os contos, tenho alguns esboços e ideias, assim com a falta de assuntos posso manter o blog atualizado. Espero que gostem.

Nenhum comentário: